poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.

segunda-feira, outubro 15, 2007

Postagem ao som da música Queremos Saber – com Cássia Eller – [OuçAquiÓ] - Presente que ganhei da amiga Valéria C - VALeu!!!
SOBRE A RAIVA
(Para um conhecido José e uma amiga do CÉU)

Raivas,
que levamos embutidas
misturadas nas águas de nossas vidas...
É como um rio Arrudas
de rejeitos-detritos, restos da cidade,
aís, mágoas e crianças às margens abandonadas.
Raivas,
alimentam feridas
e estercam em nós,
rasteiras-daninhas-ervas
de todos os males.

Raiva,
em minha bagagem
não cabe. Comigo,
não segue viagem...
Já fiz-rezei e refiz
as contas de tal terço.
Com ou sem alça -
raiva: é mala, que não dou conta
de carregar no meu lombo.

Se preciso for, eu bato na mesa.
Eu envermelho a cara e até grito,
mas descarrego-a, no ato e ali,
na bucha – a mando pro norte ou pro sul.
Destravo logo, não cimento-dentro sentimento ruim.
Do contrário, na primeira esquina machuco e tombo.
É assim, eu posso babar, mas sempre na raiva, ponho;
no mesmo instante - o fim.

Dona raiva? Se deita com outros, mas comigo?
De jeito nenhum!
Ela não será nunca companheira na minha; cama.
Eu durmo é sem comprimido.
Meu sono é prosaico e se inicia, encapsulado de amor.
Depois: sonho, converso, delíro, colho poesia
e amor “di-novo!!!”; claro, bisado:-) – pra ter bom dia
e seguir doando, sonoro “BOM-DIA!” até pras minhas
humildes e silenciosas-trabalhadoras, amigas formiguinhas.

Se por um lapso
raiva sinto, escapo:
desafouxo e solto,
com segurança
o meu cinto.
Deponho minhas armas,
peço perdão.
E com minha velha alma
Portadora de passe livre,
entre mundos
sem pagar passagem -
no tempo eu voo (em novo português)
atirando pro alto o chapéu
em homenagem
a um conhecido José
e uma amiga de praia,
numa estrada colonial para o céu.

(Neste último ponto,
minha memória não falha.)

Digo isso porque
eu tenho num OlhO
um leitor;
de código de almas.

Raiva, que conheço
é doença canina
e contagiosa.
Acho que não é sentimento
para se guardar
nem mesmo entre os piores;
que dirá, adentro
dos melhores amigos.

Do simples confessamento
de raiva – penso
que faz ervecer no meu próximo
mais rasteiras-daninhas e
aborta-poda, de vez a chance
do floresSER nele;
sentimentos, +nobres.

Raiva?
Não cometo essa loucura!
Só comento esse sentir, já deixando IR... a mais de cem
e concluo:
raiva, é condimento comum
cultivado entre os homens
na terra – eu sei...
Mas convenhamos,
não fica bem
entre certos
sabidos seres do CÉU
E do MAr.
...

+ UNS APITOS DE UNS TRENZINHOS BONS:

01) No dia 12, comemorei meu aniversário na companhia de muitos amigos. A visitação da galera se estendeu até no domingo. O poeta Lecy Pereisa Sousa, também marcou presença, nos brindando com belas interpretações de poemas diversos – foi dos melhores dias, que tive sob a sombra da Árvore dos Poemas. Quero aqui, agradecer a todos. Especialmente a Xica e a Ceiça, duas grandes crianças, que já passaram dos 70 e que, levaram até aqueles carros com uma “somzeira” danada, para me homenagear – valeu, suas sapecas!!! Presentes? Sim, ganhei muitos, mas sem dúvida, o melhor de tudo, foi e é, e será, sempre: sentir a presença de sinceros-amigos.

02) E até que enfim, um presentão pro Brasil – Renan, afastou-se do congresso. Eh... safadeza, fôlego, e pirraça o cara tem – reconheçamos. Milagre deve existir... Lembram quando o Roriz, choramingou lá no congresso e disse que rezaria pra N.Sra.Aparecida? Outro dia, também vi numa capa de jornal, o Renan tipo... com cara de bezerro desmamado, se fazendo de beato e contracenado com a imagem de uma santa. Pois é, no dia 12, dia de N.Sra.Aparecida o milagre enfim acontece – Renan fora da cena do senado – atitude, aliás, que ele, já deveria ter tomado - caso ele tivesse um só “pinguin”, de vergonha na cara. Aqui o link de um poema que fiz, realizando uma catarse para não adoecer – pô, pelo menos estamos na democracia, temos que vivê-la plenamente expressando livremente nossos pensamentos – é isso, vamos falar o que der na nossa telha, se não ela racha, né-não? Em alguns lugares (rádios, tv´s, revistas e jornais), de gente poderosa que se diz democrática a gente “nu-pó-fala...”, mas aqui? Vixe Maria!!! Nóis “fala” e escreve mesmo. E alguns desses veículos, que dizem aos quatro ventos, que são amantes, dessa jovem democracia brasileira - mas que na verdade, são comandados por “forças ocultas”, que querem manter o “status quo”, o pão e circo – que eles aguardem... só mais um “tiquin”... o caminho é sem volta... acho que apenas 23% dos brasileiros, possuem acesso à internet... quando isso dobrar e chegar ali, perto dos 50% (Uai! Não é que raspei uma boa idéia? – rsrs) Já pensaram? Quando começar a pipocar rádios, tv´s, jornais e revistas pra tudo que é canto nas terras virtuais? Hum... (Bem, como já acontece, né?) Esses gagás filhotes da ditadura, Esses velhos professores, que gozaram o Che Guevara (como ouvi, outro dia, numa rádio de grande audiência aqui das gerais) e um deles ainda disse em claro e bom som “temos é que defender o nosso”.
A eles eu digo: a revolução, meus camaradas, não se dará mais, pegando em armas (nesses tempos que correm, isso é coisa pra bandido pé-de-chinelo – que vocês gostam de explorar e ainda se gabam de praticar o um bom jornalismo – é assim, oferecem más notícias, para logo depois se retroalimentarem delas) fiquem tranqüilos, ela já está sendo tramada e na medida do possível ao mesmo tempo sendo executada no invisível e nessa órbita meus caros... o dinheiro e as “armas” em poder de vocês, não valem “nadica” de nada. Como já foi dito, numa canção “quem viver, verá” – o vira, virá e já vem, no galope das coisas invisíveis, como O Vento. Sementes estão sendo lançadas.

03) A convite do SENAC, dia 17 – quarta-feira próxima às 19:00Hs, estarei num bate-papo sobre poesia com os alunos do 2º grau do Instituto de Educação. Posso levar 20 convidados – caso algum leitor do “Poeminhas...” queira estar presente basta enviar-me e-mail no diovvani@yahoo.com.br

04) Desculpem-me, sobre algum erro acima – a postagem deve estar um pouco confusa (também, sou confuso mesmo - rsrs) – é que meu tempo aqui, está a conta-gotas – ou seja: sendo aproveitado ao máximo em meio a uma porção de projetos. O poeminha acima, foi iNsPiRaDo, num programa de rádio que gosto muito de ouvir (foi no sábado, último) - um ouvinte enviou um e-mail e de tanta raiva (sei lá...) que nutria pelo apresentador disse "gostaria que um cometa caísse na sua cabeça" e o apresentador respondeu na bucha "e eu gostaria, que um cometa não caísse na sua cabeça, pra você continuar nos ouvindo). Dedido o poema para esse anônimo ouvinte, que nem sei quem é.

6 Comments:

Anonymous marcos pardim said...

não é à toa mesmo que dizem que a sabedoria está na velhice (rss....) aí, meu velho: feliz aniversário, atrasado. e nada de mascar a goma arábica da raiva. só mesmo o tutti-frutti da ternura. cum deus.

terça-feira, outubro 16, 2007 4:53:00 AM  
Anonymous loba said...

Dio, parabéns! Te beijo com o maior carinho do mundo, viu?
Qto à raiva... não vale mesmo à pena! nunca!
Agora, nossa comunicação: não respondeu aos meus e-mails pq? não os recebeu? mandei pros dois endereços, tá?
Beijoca

terça-feira, outubro 16, 2007 11:49:00 AM  
Blogger Clóvis said...

Por aqui também não há espaço para raiva, a poesia é tanta que transborda, entra pela porta, ora inteira, ora torta, e entra e fica e habita e a mim cabem-me versos de amar, de amar, de amargo, mas de raiva...apago todos, amasso logo, jogo no lixo.Ufa!Que alívio, respiro fundo, volto às auroras...



Abraços, poeta.

sexta-feira, outubro 19, 2007 3:14:00 PM  
Anonymous Anônimo said...

Amigo Dio,

Parabens! Mas já te enviei e com todo o carinho que de ti guardo, e acumulou-se nos anos, e poucos momento que podemos prosear, será sempre para mim um aprendizado, abre-se a mente e reverte-se me palavras que as vezes me custam a sair, e que ficam ruminando até que forma tomasse. Mas, desse muito NÃO conVIVER, fico a viajar navios em mares que sei existir em infinitos pensamentos bons que se encontram por ai, (pelo mundo!!!!!!) e quanto a Raiva? que bichinha é esta mesmo? talves que invertida podemos aviaR por ai em ventos de candura.........rsrsr

Beijos saudosos sempre....

Kátia Silva

sexta-feira, outubro 19, 2007 3:42:00 PM  
Blogger Juliana Pestana said...

Raiva foi feita pra ser jogada no vento, pra furacão distante tratar de espalhar e esconder lá... bem longe. Coração é terra de amor e onde há amor, há vida!!
Bjos meus.
Parabéns... pelo aniversário, pelas conquistas, pela vida!

Bjãuns meus.

sábado, outubro 27, 2007 6:57:00 PM  
Blogger Bia Pontes said...

"Condimento comum cultivado entre os homens na terra"
E eu, embora com ascendente em peixes pra me amenizar, sou de touro. Affffffff.
Adorei aqui!

domingo, outubro 28, 2007 8:24:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home