poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.

sexta-feira, agosto 10, 2007

Postagem ao som das músicas Itamarandiba e Caçador de Mim – Milton Nascimento – [OuçAquiÓ]
P x p = 2P´s == P´D+
“A fórmula acima, nem meu amigo-irmão-sócio Ronilson (mestre da matemática e da lógica), desvenda. É que ela, mora na mágica; saltou, foi da cumbuca dos meus truques baratos e ainda foi, embolada com uns baratos, que sinto; com uma certa, segurança”
No meio do caminho do poeta
tinha uma pedra, tinha uma pedra.
Tinha sim, uma pedra;
bem no meio, do caminho dele.

No meu? - Carambola! Encontrei caçambas,
caminhões... Nas Minas, sou conterrâneo do homem.
Mas sou cisco, pó, peão. Assumido, capiau da unha larga!
Pirracento que sou, saí de Esmeraldas, passei por Betim
e nasci no Belo – horizontalizei, num dia doze de outubro, às 18:00hs. (Ave Maria!!!) Que foguetório, N.Sra.Aparecida!!!

Pois é, sô! Meu DNA, foi desenhado lá, nas Esmeraldas...
Sou fio, de Neuza e Vicente Mendonça (que já se foi)
Neto de Mariquita e Jonas Costa, Margarida Alacoque e Geraldo Monteiro (Vendedor de leite, em carroça e latão no Jk, Eldorado e adjacências)

O Poeta, (DruMMond) de minério e mistérios, tinha real talento!
Eu? Só penso, enquanto vento.
Ainda engano e roubo na rima,
no tento, no lamento. Ponha sentido, inhô.

Mas; e as pedras? O que fiz, com tantas?
- Segui o mandamento
d´aquEle outro homem,
fiz minha casa sobre elas.

Construí, com Vani (Legítimo, caipira do Serro)
um ninho de pedras
pra significar meus amigos e claro
na-morar, com meu amor.

E que estilingue a primeira pedra,
quem disser que sou plagiador.
Que aproveito da fama do Poeta.
Eu, mero peão, doido de pedra e por pedra.
...
Dedicado à memória de Carlos Drummond de Andrade.
Na próxima quinta-feira, (16/08 às 20:00hs) o programa Brasil das Gerais, apresentado por Roberta Zampetti na Rede Minas, será dedicado ao Poeta.
...
Octávio Roggiero Neto, plantou novo fruto aqui, na Árvore dos Poemas - Valeu camarada!!!.
Agradeço a Maria Claudia, http://registrosmariaclaudia.zip.net/
pelas palavras tão bem escritas e carregadas de sentimentos, que dedicou a mim e a Vanusa. Esperamos sua visita, amiga.
^^^Abraço^^^
Diovvani.

29 Comments:

Anonymous Valéria said...

as pedras me fascinam... talvez porque muitas vezes eu desejei e desejo ser pedra... eu gosto dos poemas da Cora Coralina que também, parece-me, gostava de pedras...
beijo moço aí das Minas de pedras...

sexta-feira, agosto 10, 2007 9:32:00 AM  
Blogger Edilson Pantoja said...

Pedra é matéria-prima. Geram-se asas no "Ninho das Pedras". Abraço!
Texto novo no albergue.

sexta-feira, agosto 10, 2007 9:53:00 AM  
Blogger Vinícius Marçall said...

A função das pedras é ser estudada pelos geólogos (ou seria o contrário talvez?!)
Heheheheheeeeee

Palavra de Futuro Geólogo...

PedregosoAbraço!

sexta-feira, agosto 10, 2007 2:19:00 PM  
Anonymous isabella benicio said...

Preciosidades de Minas: seus caminhos, suas pedras e, principalmente, suas gentes. Beijo!

sexta-feira, agosto 10, 2007 5:45:00 PM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Belas pedras... isto é, belas palavras.
Como sempre, as suas poesias são deiferentes.
Bfs, abraço.

sábado, agosto 11, 2007 10:15:00 AM  
Anonymous Edson Marques said...

Diovvani,


No meio do caminho tinha EinStein!



Abraços, flores, estrelas...



.

domingo, agosto 12, 2007 11:50:00 AM  
Blogger Flávia Correia said...

Muito lindo, como sempre! Abraços, Diovanni.

domingo, agosto 12, 2007 5:25:00 PM  
Anonymous marcos pardim said...

até que enfim, coloquei a leitura em dia. comecei lá de baixo, com bicada na veia (uma bicadinha na véia, também é bão, nénão? rsss...), passei pela sua entrevista ao jornal e vimchegar aqui em cima, onde sequer tentei resolver a equação... estilinguei direto mesmo umas pedradas do meio do caminho. 1 abraço.

domingo, agosto 12, 2007 6:54:00 PM  
Anonymous paulo vigu said...

Poeta-irm�o Dio - Andei fazendo um tudo. Em f�rias subi o vale e vejo a plan�cie, os homens pequeninos e a minha aldeia de longe, longe, longe. " No meio do meu caminho, (tamb�m), sempre haver� uma pedra"
N�o sei nada sobre porcentagens e equa�es. S� aprendi, como voc� sobre horizontalismos.Abra�o - Paulo Vigu

segunda-feira, agosto 13, 2007 11:56:00 AM  
Blogger Pedro Pan said...

, não sou bom de matemática, então nem me atrevo a entender tal formulação. já poesia que faz caminho de pedras ser belo. "nascer no belo"...
, "e que estilingue a primeira pedra," magistral.
, abraços meus.

segunda-feira, agosto 13, 2007 1:57:00 PM  
Anonymous alex pinheiro said...

Diz-se que os aventureiros na literatura são matemáticos frustrados, parte coube em mim mesmo, rs

Bem mineira a invenção por aqui,,, Drummond e suas pedras,,, Diovvani, doido de pedra...

Abraços e agradáveis invenções!

segunda-feira, agosto 13, 2007 4:26:00 PM  
Blogger gdec said...

V. é uma força da natureza, homem . Até assusta .
E embora não concorde com tudo -quem concordará ?- gosto de tudo excepto daquela frase em francês aí abaixo .
um abraço
Geraldes de Carvalho

segunda-feira, agosto 13, 2007 8:40:00 PM  
Blogger L. Rafael Nolli said...

São sempre muitas pedras no caminho do poeta, meu camarada! Pedras imensas, ou milhares delas, pequenas e pontiagudas, atrapalhando o caminho - ou como diria outro dos grandes poetas, "atravancando o caminho." Com pertinência vencê-las, rodeá-las: usá-las no estilingue!
A árvore cada dia mais florida!
É isso aí! Abraços para ti!

segunda-feira, agosto 13, 2007 10:15:00 PM  
Blogger Jefferson P. said...

.. a pedra caiu no meu pé, e o meu caráter se encontrou.

abrç

terça-feira, agosto 14, 2007 4:06:00 PM  
Blogger Menina do Reggae® said...

Diovvani!

a quanto que não venho aqui.

Muito bom esse poema, e o jogo de palavras que você usou.

e a formula, acho que se pulou do seu mundo você sabe qual é a solução.

p.s.: parabéns pela entrevista que está ai no post de baixo, dei uma lida, muito bom!

olha, vou linkar o poeminhas no meu café tá.

a muito que venho aqui, acho que já passou da hora do poeminhas estar por lá.

obrigada por sempre aparecer pra tomar um café.

Au Revoir

terça-feira, agosto 14, 2007 6:00:00 PM  
Blogger Múcio L Góes said...

Dio de Dios, compadre velho!! Seu dna está aqui, límpido, puro e claro. E Dios sabe bem o que faz, te fez Poeta, e pra que mais?

aplaudo-te!

bjo.

terça-feira, agosto 14, 2007 6:03:00 PM  
Blogger Janaína said...

as moradas.
e são feitas de pedra e quem sabe de palavras
essas moradas, são sim pedra e palavras.
Matemática e poesia... nem sei se sei lê-las.
Um abraço do frio!

quarta-feira, agosto 15, 2007 9:44:00 AM  
Blogger Rayanne said...

Ô coisa....

Caboclo que venta,
quanto a gente quer e não tenta,
brinca c'oa poesia,
Caboclinho de encanta-dor.
É um menino,
tão moleque,
esse sábio que mora
num ninho de pedras
e finge passarinho,
prá derramar as estrelas.
Caboclinho que inventa
Tão novo, o sentido do amor.

Amo muito.

***Estrelas derramam***

quinta-feira, agosto 16, 2007 10:58:00 AM  
Blogger moacircaetano said...

Carlos, meu eterno mestre!

quinta-feira, agosto 16, 2007 4:48:00 PM  
Blogger Mary said...

Bela homenagem!

E este seu ninho de pedras deve ser encantador!

Parabéns pela entrevista, Dio! Ficou ótima!

Beijoss

sexta-feira, agosto 17, 2007 10:49:00 AM  
Anonymous cla said...

Lá das nuvens tem um Carlos sorrindo para esta estradinha. Drummond deve estar abençoando este poetinha, que faz pedra pulsar em ninho de amor.
A Maria Claudia é uma poetaça. Fez bonito, faz sempre belo. Abraço nela.
E o afago da canção tocou meu coração.
carinhos pra ti

sexta-feira, agosto 17, 2007 12:36:00 PM  
Blogger clarice ge said...

Encontrei isto e lembrei de teu ninho:
“Algo que me habitava ou que habitei, onde ficarão rugas minhas, quiçá minhas penas, minhas angustias o minhas alegrias. E se isto não bastasse, esta pedra está viva porque é o que fui ou o que serei”. (Pablo Neruda)
bjs

sexta-feira, agosto 17, 2007 12:52:00 PM  
Blogger Claudinha said...

Adorei! Por que será que nós, destas montanhas de ametistas temos esta loucura por pedras e por terras? Meu DNA foi desenhado em OP e fui nascer rebelde, fora de hora, em Itabirito, perto dos minérios. No dia 5 próximo, durante comemorações do dia da pátria...
Gosto da maneira como homenageia sua esposa, seus poetas preferidos. Você foi capaz de criar um local para namorar. Foi além do sonho, você constrói seu destino com suas mãos...
Esta música, é a da minha despedida de OP. 16 anos, mágoas, fui arrancada inesperada e violentamente de minha terra. Daí descobri o que me faz sentir caçadora de mim e a música da minha vida é Clube da esquina II...
(nem lembra se olhou prá tras ao primeiro passo, aço, aço...)
Beijo moço.
Beijo pra sua esposa também.
Parabéns pela sua entrevista!

sexta-feira, agosto 17, 2007 1:38:00 PM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Voltei a ler e voltei a gostar.
O Diovani é imparável...
Bom fim de semana, abraço.

sábado, agosto 18, 2007 5:30:00 AM  
Anonymous Dora said...

Dio( já comecei com intimidade de apelido...rs), eu vou aqui dizer umas palavras...A gente tem uma coisa, lá nas profundezas do nosso arcabouço de ser humano, que não sabe o que é! É uma coisa sem nome, que a gente passa a vida querendo inutilmente nominar. Drummond tinha a "pedra", a coisa indecifrada lá dele...Como você tem essa "fórmula" sua!
E veio essa "biografia" de Diovvani inscrita aqui, homenageando Drummond. E eu fiquei no encantamento dela!
Eu só sei que adorei ter conhecido um poeta "doido de pedra", que usou tantas pedras das Gerais, para construir uma história tão bonita quanto à de Drummond!
E um abraço bem aconchegado para você! E prá companheira, que tem uma sorte danada!
Dora

sábado, agosto 18, 2007 1:28:00 PM  
Blogger Elza said...

Olá!!
Estou passando por aqui para dar meus parabéns
pela sua indicação, ao prêmio blog 5 estrelas!
Seu blog é muito original, parabéns 2x!
rsrs...
Boa semana!
=]

terça-feira, agosto 21, 2007 12:04:00 PM  
Blogger Rayanne said...

Te indiquei pro Blog 5 Estrelas, seu bonito.

**Outras 5 prá você**

quarta-feira, agosto 22, 2007 10:52:00 AM  
Blogger Octávio Roggiero Neto said...

"E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé."

poeta, acho que você é um mineiro mais que legítimo para repetir estes versos aqui acima, sem no entanto estar plagiando o nosso Drummond, pois existem milhares de maneiras de ser feliz.

você nos brinda com sua vida, meu amigo, e abrilhanta Minas a cada palavra e demonstração de sua essência ímpar e branda.

ê vontade de ir pra estas bandas aí, dar um abração em você e no Pedro e também conhecer Ouro Preto, que nunca pude, mas inda vou.

poeta, olha lá, quero passar uma tarde tocando violão com você e falando sobre coisas bonitas, como as nuvens, a vida e o bem-te-vi.

obrigado por existir!

quarta-feira, agosto 22, 2007 4:53:00 PM  
Blogger Marla de Queiroz said...

Mas a saudade..........essa pedra no sapato.

quinta-feira, agosto 23, 2007 9:03:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home