poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.

sexta-feira, outubro 20, 2006

postagem ao som da música: "arrumação" com elomar.
_no sinal fechado_
vi um mendigo sentado
catando bagos de arroz no chão
sua mão direita colocava devagar
os grãos na esquerda em concha

quando juntava boa quantidade levava
o montinho à boca de uma só vez
depois espalmava sua concha-mão
para dois cachorros lamberem

a cada lambida ele abria mais
seu sorriso-duas-janelas
ria muito e alto
encarando meu rosto

não sei se ria de cócegas ou felicidade
para mim ou de mim
desliguei-me da cena quando o sinal ficou verde
e pneus rangeram pressa atrás de mim.
...
- Janaina Calaça, publicou o poeminha acima no civilizados* - cliquem aqui e conheçam.
* Os Civilizados invadiram a Selva, trazendo seus talheres, etiquetas, roda, fogo e vasilhas tipo Tupperware. Placas de sinalização, canudos, tecido sintético e frutas cristalizadas...

18 Comments:

Blogger Saramar said...

Doeu esse poema!
Doeu esse ser humano como cachorro de rua ou vice-versa?
Tudo dói. Essa vida é assim. Dor constante.

beijos

sexta-feira, outubro 20, 2006 8:02:00 AM  
Anonymous Marilena said...

Essa sua sensibilidade que nos leva a ver coisas que as vezes nos passam despercebidas encanta a gente, sabe? (Adorei a nova cara do blog, está tudo lindo por aqui). Bj

sexta-feira, outubro 20, 2006 8:52:00 PM  
Anonymous Janaína Calaça said...

Diovvani, meu querido amigo de longe,

seu poema, como a Saramar disse, doeu... Doeu mesmo. Você traz estes recortes do cotidiano e nos faz olhar aquilo que muitas vezes insistimos não ver durante nossas andanças corridas pelo dia a dia. Quantas vezes desviamos nosso olhar da nudez da miséria? Talvez seja incômodo, talvez seja o medo de nos sentirmos responsáveis pelas diferenças. Enfim, doeu...
Queria pedir a tua permissão para publicar este poema no Civilizados. Vou publicá-lo hoje, caso você não queira, eu removo de lá, viu?

Beijoooooooooooooooooo

Jana

sábado, outubro 21, 2006 12:00:00 PM  
Blogger Bruna Rasmussen said...

cachorro humano. arroz e pressa. concordo com o já dito: doeu.

beijos

sábado, outubro 21, 2006 5:27:00 PM  
Anonymous juliana pestana said...

Sensível demais.
Seu descrição-poema saiu maravilhoso. Deu vontade de ver a cena, de ser seu poema.
Sensibilidade que se joga no papel, que agarra na ponta da caneta até chegar aqui, até sair assim...

bjos meus.
sorrisos em breve.
*
*
*
obrigada pelo carinho! ;-)

domingo, outubro 22, 2006 2:12:00 AM  
Anonymous marcos pardim said...

o que a cena tem de triste, diovvani, ela também tem de reveladora: precisamos de pouco, meu velho, de muito pouco para sorrir ( a, da e pra) vida...
1 abraço

domingo, outubro 22, 2006 7:26:00 AM  
Blogger Marla de Queiroz said...

Tão forte teu poema, Dio!
Fiquei muda.

domingo, outubro 22, 2006 8:22:00 AM  
Anonymous pedro pan said...

, poema crônica das mazelas e cotidiano...
|abraços meus|

domingo, outubro 22, 2006 8:52:00 AM  
Blogger Múcio Góes said...

do Baralho!!! Uma foto de Sebastião Salgado! Muito bom, Diovvani!! Elomar, Xangai, Vital, rogai por voz!

[]´s

domingo, outubro 22, 2006 3:48:00 PM  
Blogger Beatriz Galvão said...

dizem mesmo que a poesia se esconde nas curvas;
(quase) nunca nas linhas retas.

Lindo o poema, belo novo layout!

Beijo grande, querido!

domingo, outubro 22, 2006 7:32:00 PM  
Anonymous Janaína Calaça said...

:**********
Esqueci de dizer que a cara nova do Poeminhas está linda!
:)
Saudades de tu!

Beijos

Jana

segunda-feira, outubro 23, 2006 8:00:00 AM  
Anonymous Jana said...

Olá!! Vi seu comentário na Jana Calaça, e vim "espiar" seu blog, adorei as poesias, e sigo sua linha, uma música sempre completa... ou inicia a inspiração!

segunda-feira, outubro 23, 2006 10:01:00 AM  
Blogger Clara said...

Oi Di!
Adorei o blog! Ficou show! Olha, não tive tempode agradecer as músicas, amei-as! Obrigada! São suas?
Triste poeminha o seu... triste e belo.
Um Beijo!

segunda-feira, outubro 23, 2006 10:43:00 AM  
Blogger Rayanne said...

Dio,
meu amigo querido que faz tanta saudade.
Esse ficou ardendo como uma chicotada nos olhos de um morto. Um quase-morto. Um ser humano mais ser do que humano. Vil. Ridículo. Limitado. E lírico, louco, poeta desencarnado.
Meu amigo, a poesia acontece nas mais imundas esquinas...

**Estrelas, sempre**

segunda-feira, outubro 23, 2006 1:11:00 PM  
Blogger Edilson Pantoja said...

Diovani, que instantâneo fiel, rapaz! Cabe tudo nele! Obrigado por comentar no Albergue e desculpe a demora! Abraços!

quarta-feira, outubro 25, 2006 8:47:00 AM  
Anonymous Anônimo said...

Dio,
Cada olhar a nossa volta, nesta vida que a loucas propostas iludimo-nos BELA, encontramos distraidos, farpas de tempos não gratos, desencantados em falsos sorrisos, ou falsos anseios de quem perdeu a eloquência da HUMANIDADE, mas não perdeu a fé.

BJS Kátia Silva

quarta-feira, outubro 25, 2006 12:51:00 PM  
Blogger CeciLia said...

Que delícia, um sorriso de duas janelas e dividir comida com cão. Embora a dureza da vida, a beleza da cena vista pelo teu olho poeta.
Beijo na alma, Dio.

quinta-feira, outubro 26, 2006 6:59:00 AM  
Blogger Luzzsh said...

Oi Diovvani,

Poema 'incomodante', pelas mesclas de peso e leveza. Ou pela realidade em demasia.

Belo!....

Beijos....

quinta-feira, outubro 26, 2006 7:16:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home