poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.

sexta-feira, julho 07, 2006

(pintura de juan gris)

_urbano aprendiz do violar canções_
.
todo dia mineiramente depois da labuta
do dedilhar-desembaraçar bits-bytes
um aprendiz de violeiro impregnado de paciência
calça os mesmos passos de ontem na tardezinha
.
chinelos nos pés viola nas costas desce a rua
em frente olha a lua subir noite-esconder-grilos
aos vizinhos sorri gestos-acenos-cumprimentos
um dedo de prosa ligeiro – um "inté manhã" – seu toni – "inté"
.
"o velho de bigode branco está com seu inseparável radinho-de-pilha
fumando o resto de vida da tarde enquanto ouve no portão entre pigarros
fresquinhas às notícias do futebol na rádio itatiaia – perde o brasil a copa 2006
- sempre depois da ave maria – o papo da turma do bate-bola"
.
passa pela padaria desce 1ª esquerda chega em casa beija quem lhe aguardava
repousa na cama a viola – as cordas vibram – saudade (não é dia de aula)
a mulher companheira grávida de esperas lhe dá a mão
para mais uma caminhada no tecer de fios e planos ao redor da vida
.
esse urbano aprendiz de modas é meu amigo-irmão-ronilson
ele é sábio pois o vejo humilde catar nota-por-nota para formar
na ponta dos dedos acordes-bebês ainda no engatinhar
mas breve sei será pai de canções adormecidas nos cafundós de sua viola
.
para os felizes companheiros de viagem na mesma nave-mãe: ronilson e simone souza. e surpresa... fiquei sabendo agora às 18:19 que o casal terá o primeiro filho(a).

22 Comments:

Anonymous l. rafael nolli said...

Olá, Diovvani. Gostei pacas do poemas - sou mineiro, interiorano legítimo, e conheço bem essa paisagem retratada. E vc retratou ela muito bem! Gostei!

sexta-feira, julho 07, 2006 11:35:00 AM  
Anonymous Janaína Calaça said...

Não sou de Minas, mas meus olhos-imaginação sempre visitam estas paisagens pelas linhas de Diovvani.
Redescobri o cheiro de terra e o gosto pela imagem do verde através dos seus poemas, Diovvani. Redescobri a leveza, pelo menos na poesia, entre estes dias ultimamente tão cinzas e pesados.
Gosto muito de suas linhas, mineiro. Gosto e guardo um pouco delas para mim, como doce onde se mete o dedo e prova o sabor maior de sentir o gosto na clandestinidade.

Beijos,
abraço forte,
Jana

sábado, julho 08, 2006 1:48:00 PM  
Anonymous Lela said...

Amigo Diovvani, passeei pelos poemas que ainda não tinha lido e é tão bom encontrar o cheiro da mineirice no seu palavrear. A blogosfera nos aproxima a todos de todas as partes do nosso país e é tão bom ver que, mesmo morando num pedaço de chão do tamanho de um continente, somos todos mais semelhantes do que costumamos pensar.
Belo poema! Bela é a amizade que faz surgir poema tão belo.
Abraço n'ocê

segunda-feira, julho 10, 2006 7:32:00 AM  
Blogger Lilic@ said...

passeando por aqui ... boa semana.

segunda-feira, julho 10, 2006 11:41:00 AM  
Blogger Lilic@ said...

passeando por aqui ... boa semana.

segunda-feira, julho 10, 2006 11:41:00 AM  
Blogger alice said...

querido diovvani,

perdoe-me a ausência, por favor

adorei sua visita e suas palavras

mas o tempo é ingrato na net, dois ou três dias parecem meses a acumular saudades indiscritíveis

adorei vir hoje terminar meu primeiro dia da semana por aqui

espero que esteja bem, caro amigo

seu post é indizível

beijo inefável

alice

segunda-feira, julho 10, 2006 2:30:00 PM  
Anonymous Dora said...

Diovvani! Que jeito danado de saboroso você tem para arrumar as palavras! Eu não sei explicar...Uma ternura, uma coisa assim como um dia nascendo mansinho...
E eu começo a achar a vida tão inocente e nova, nos seus escritos!! Não sei mesmo, explicar...
Só sei que gosto!!!
Deixo-lhe beijos!
Dora

segunda-feira, julho 10, 2006 3:07:00 PM  
Anonymous Anônimo said...

Meu irmão: vc é mineirim dimais da conta quando arruma essas palavras... elas vem com gosto de branquinha, cheiro de chuva em manhã de sol, filas intermináveis de formigas indo pro trabalho, poeira da pampulha e vontade de ninhos de pedras.

Agora que o Ronilson vai ser pai, falta você e a musa-de-olhos-verdes me darem um poema-sobrinho, que cante poesia pelas madrugadas e faça todos nós sorrirmos com caras de bobos. E sem esquecer a mamadeira, que no começo não pode ser de pinga, só quando ele tiver a idade do meu filhopoema.

abraços fortes, meu amigo. Admiro você e sua poesia.

Nel Meirelles
http://www.falapoetica.blogger.com.br

terça-feira, julho 11, 2006 10:28:00 AM  
Blogger alice said...

querido diovvani,

vim cumprimentá-lo e aproveitei para reler tudinho

saio daqui de cara abanda, meu amigo, você é invulgar, gosto!

beijinho grande,

alice

quarta-feira, julho 12, 2006 1:36:00 PM  
Anonymous marcos pardim said...

Diovvani, meu velho, o aprendizado por aqui tem se dado na marra, na lida com os cafundós urbanos da correria e da total falta de tempo. Mas é preciso, sim, arrrumar que seja um átimo de tempo para visitar os amigos. E eis que encontro aqui gestações: de canções e de bebês. Salve, Ronilson. Salve, Simone. Salve, a santa cegonha que não é dada a se perder pelos desmaios do tempo. Ah, e faço coro com o Nel pra que você e Vanusa sejam os próximos cancioneiros. Previsão de poeta é foda, hein. Costuma ser vaticínio. Cum Deus. 1 abraço.

quarta-feira, julho 12, 2006 1:53:00 PM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Para além de poeta, você é um exímio contador de histórias, sejam em prosa ou poesia.
Neste poema você consegue que se veja o ambiente humano de uma região do Brasil que, para mim, que nunca respirei o ar daí, acaba por ser o do Brasil inteiro...
Um abraço e bom fim-de-semana.

sexta-feira, julho 14, 2006 5:01:00 AM  
Blogger alice said...

querido diovanni,

vim visitá-lo e ainda não tem novo post, mas aproveito esse para desejar-lhe um óptimo fim de semana

beijinho grande

alice

sexta-feira, julho 14, 2006 12:52:00 PM  
Anonymous Janaína Calaça said...

Ei, menino... Passei uns dias in off, mas estou voltando aos pouquinhos. Ouvi a canção que você mandou e gostei muito. Você vai gravar ou não?
Saudades de vc!
Cuide-se, menino das Minas.

Beijos

Janis

domingo, julho 16, 2006 3:51:00 PM  
Blogger Loba said...

Menino, a cada vez que apareço por aqui me espanto com este seu jeito maravilhoso de contar a vida através da poesia. Vc é muito bom com as palavras, viu? Maravilhoso mesmo.
Um super beijo.

domingo, julho 16, 2006 8:13:00 PM  
Anonymous Keila, a Loba said...

Lendo você, a impressão que se tem é que você é um exímio e sensível poeta, capaz de traduzir em palavras o que às vezes não conseguimos dizer. Lindo o que li, parabéns!

BeiJuivooooooooooooossssssss da Loba

domingo, julho 16, 2006 9:28:00 PM  
Blogger Nilson Barcelli said...

Uma boa semana para você.
Abraço.

segunda-feira, julho 17, 2006 3:49:00 AM  
Anonymous Lela said...

Diovvani, uma boa semana pr'ocê e um abraço

segunda-feira, julho 17, 2006 7:11:00 AM  
Blogger alice said...

querido diovvani,

como vai você? ainda não há novo post? ora, tenho saudades!

o calor aí também sufoca como aqui?

nem dá vontade de escrever, não é mesmo?

beijinho grande

alice

segunda-feira, julho 17, 2006 10:59:00 AM  
Blogger Clauky Saba said...

Dio!

que bela dedicatória aos companheiros de viagem. Uma delícia de poema-conto.

Comecei... e quando vi já chegava ao fim com gostinho-de-quero-mais ;)

beijos meu amigo querido

Clauky

terça-feira, julho 18, 2006 10:09:00 AM  
Blogger mirian de souza said...

Oi, Djô, estive aqui, rsss
Seu poema pro lindinho do Ronilson é muito bonito mesmo. O Paulo também curtiu. Legal....Bjoca

domingo, julho 30, 2006 6:58:00 PM  
Blogger mirian de souza said...

Oi, Djô, estive aqui, rsss
Seu poema pro lindinho do Ronilson é muito bonito mesmo. O Paulo também curtiu. Legal....Bjoca

domingo, julho 30, 2006 6:58:00 PM  
Blogger mirian de souza said...

Oi, Djô, estive aqui, rsss
Seu poema pro lindinho do Ronilson é muito bonito mesmo. O Paulo também curtiu. Legal....Bjoca

domingo, julho 30, 2006 6:59:00 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home