poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.: Dezembro 2008

sexta-feira, dezembro 19, 2008

Postagem ao som da música Beautiful Day – U2 [OuçAquiÓ] e Eu Quero é Botar Meu Bloco na Rua – Sérgio Sampaio [OuçAquiÓ]

LANÇAMENTO DO LIVRO PRIMEIRAPESSOAPLURAL
Lecy Pereira Sousa
(Foto: João Paulo)
Local: Armazém Bar Cultural
Endereço: rua Manoel de Matos, 110 - Centro – Contagem - MG
Dia: 20/12/08 (sábado)
Horário: 21h00
Entrada: R$ 3,00
Preço do Livro: R$ 15,00
Reserva de mesa: (31) 3044-7901 – Rodrigo
...
Amanhã vamos invadir o Bar Armazem para o lançamento do livro PRIMEIRAPESSOAPLURAL - AquiÓ
...
Sobre a obra PRIMEIRAPESSOAPLURAL
do Poeta Lecy Pereira Sousa

Poemaremos por falta de opção

Sabemos que o mito da 'oportunidade igual para todos' se revela um mito tão fabulístico quanto a 'liberdade de mercado'. Percebemos que 'o mercado sem Estado' é mera 'ideologia neoliberal', e que se a 'vida é uma corrida', alguns saem 50 metros à frente de outros tantos.

Sendo assim qualquer pregação de coerência revela-se ideológica e metafísica - não há redenção no 'deserto do real'. Só há uma existência do 'sou o que tenho' e uma pseudo-existência virtual - 'sou o que a mídia(os outros) diz(em)'.

Sem opção, sem oportunidades, resta a ironia, o poemaremos por teimosia, por cinismo, por insubordinação e 'desobediência civil'. Assim, o Poeta Lecy Pereira Sousa não busca um 'sistema poético', não vem pregar mais nada, apenas distribuir fragmentos em rascunhos em guardanapos, num 'mix' de influências, num mosaico de colagens, juntando logomarcas e citações, numa série de imagens cubistas, quadrilhas futuristas e 'haicais' irônicos.

A poesia de PRIMEIRAPESSOAPLURAL é demasiadamente pessoal sendo obscenamente coletiva, numa bacanal de linguagens, numa orgia de corpos-objetos, sem deixar de denunciar e de verter amargura.

Afinal, o poeta sofre com a falta de opção. "Diluir a melancolia / Na rústica face do dia / Somos seres fragmentados / Numa solidão coletiva" (Ingrediente do mix - 1) e também "Não fazemos poesia / A poesia é quem nos faz / Meio tortos, meio retos / Meio iniciantes, enfim" (Sobre o criado-mudo)

O Mundo é construído de fragmentos, "construir um fabulário / De pedaços / De nossas vidas", de pedaços desconexos, sem sentido, para os quais buscamos (ansiosos e desesperados) um sentido numa ordem coerente, "Querer que tudo faça sentido É de uma chatice sem fim Experimente poemas menos quadrados Beba um pouco de tinta nanquim Para cuspir flores no deserto da realidade" (ingrediente de mix - 5) O mundo está aí para ser sentido. Como dizia Alberto Caeiro, como dizia Clarice Lispector. "Para sentir o mundo / Há que assuntar as coisas / Com precisão dos olhos de lince / E procurar ao redor do mundo / Sentido que está atrás do Sentido" (p.23), numa espécie de 'prólogo' para o Manifesto da p. 31,

"Sem artificialismos, assim,
respiramos no casulo da vida.
Vibramos por poéticas
universais feitas nos quintais
de nossas casas imaginárias.
Por linguagens que só
os corações sabem entender."

Desse 'sentimento do mundo' nasce a rebeldia poética. Quando o Poeta enfim desabafa, como vemos em "Discurso transitório" (p. 27), "Senhoras e senhores / Tenhamos a hombridade / De viver dentro da verdade. (...) Porque essa é a nossa luta: / um rasgo de dignidade / Na face da canalhice. (...)" Dialogando e discursando em hibridismos e metáforas, a poesia é a forma-mor de comunicação não alma a alma, mas paixão a paixão. Afinal, uma poesia que não emociona, não merece atenção. Quando aqui o poeta Lecy expõe-se desnudo de boas-maneiras politicamente corretas quando não só pretende chocar, mas tornar o leitor um cúmplice, ele torna a sua voz-pessoal em discurso-coletivo, daí nascer o 'nós', a primeira pessoa do plural.

Lecy não diz "eu vou poemar sem fim", mas "poemaremos sem fim", pois a sua voz é coletiva - e coletiviza - assim sub-entendida (ele não precisa de "NÓS poemaremos", etc), mas está atento ao que se espera dele, enquanto Poeta, no sentido de 'voz coletiva' (a voz que brada no 'deserto do real', igualzinho ao João Batista às margens do Jordão. Porém, uma diferença, que Profeta, que Messias, Lecy estará aqui pre-anunciando??)

"Poemaremos por falta de opção
Rijos tensos intumescidos
Retesadamente lascivos
Ao cair da noite & ao levantar do sol
Duros de coração
Monossilábicos átonos atônitos
(...) "

E continua assim por mais 6 páginas (!!), num fôlego caótico e cubista, sem pausas, sem meias-palavras, sem considerações com terceiros, sem loas aos ídolos, sem piedade para com as autoridades (civis, militares e religiosas!), como um beatnik sem eira nem beira, sozinho no meio da multidão (assim como Baudelaire em andanças nas ruelas de Paris, no meio das multidões dos boulevards, e morrendo de tédio!), despejando um desespero lírico e convulsivo de sílabas de rimas esdrúxulas de palavras-valises de neologismos de citações e barbarismos, e rótulos de mercadorias e ícones do consumismo.

Mas por que todo este mal-estar na modernidade? Ora, vamos ler Freud, ler Sartre! Por enquanto sem explicar, mas se deixando levar! Somente por indignação e insatisfação!

Desobedientes, insubmissos, subversivos, em pleno "ano que ainda não terminou" (1968??), como esbraveja o poema "Diversos demais" (p. 35)

"Insatisfeitos com a norma
Insatisfeitos com a forma
Arredios à métrica
Desafeitos ao decassílabo
Nós somos uns subversivos"

Que a aura beatnik subversiva - e multipluricolorida - do Poeta Lecy Pereira Sousa continue a nos emocionar, ousando cores no mundo cinzento, além de flores versoviçosas no asfalto cotidiano.

Carlos Prates, 17out e
Barreiro, 21out08

Por
Leonardo de Magalhaens

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Postagem ao com da música While My Guitar Gently – Jeff Healey [OuçAquiÓ] e Paul McCartney - Once Upon A Long Ago - [OuçAquiÓ] - (foto DM)

OROBÓRICOS

Juntos
fortes
o
d
n

e
c
s
e
r
c
da raiz
à copa.

...
Para o poeta e cartunista Luciano Nunes (vulgo Podrera), figura raríssima, solta no meio cultural de Belo Horizonte. Ele vende seus livros, confeccionados artesanalmente de mão-em-mão, pelas ruas, becos, praças, vielas, avenidas, feiras, botecos, onde tiver gente - e não o comove, simplesmente, a força da grana que ergue e destrói coisas belas. O cara respira arte por todos os poros e é altamente inflamável, pois, aquece com palavras e gestos quem estiver ao seu redor. O que o move? Em primeiro lugar percebi que não é o din-din: é uma força rara, aliada a um entusiasmo, que faz as coisas acontecerem bonitas de um jeito ou de outro. Aí, o dinheiro chega, como que abençoando e multiplicando trabalhos feitos com dedicação e carinho. Como tenho afinidades com gente dessa laia... Tive o prazer de receber esta criatura lá em casa no último fim de semana. Constatei muitos pontos em comum durante nosso bate-papo cervejado. Luciano já está trabalhando na diagramação do próximo lançamento da Árvore dos Poemas – o livro “Grãos ao Alto”, do meu amigo e poeta pernambucano Múcio L Góes. O lançamento está previsto para fevereiro de 2009.