poeminhas p/matar o tempo e distrair dor de dente.: Julho 2007

sexta-feira, julho 20, 2007

Postagem ao som da música Asa Partida - Fagner [OuçAquiÓ]
ASA PAR T IDA E FLOR
(Para Santos Dumont e mais uns Tantos e Tontos e Santos)

ANArC
ia - INFRAerro,
PORCOrativismo.
Panem et circences,
cor rup cão, vôo cego.
Fogos do Pan:
vaias, ouro, reverso e pânico.

Des
controlados,
radares tantãs.
Overbooking.
SemData.
Gol ver nu,
contra.

E ultra-leves v
idas; lá - LUa.
Agora griTAM,
vibram e voam:
menos,
pesadas que o ar.
.
(E Garcia "comemorou"...
pois na realidade
não há Zorro,
para fazer justiça no Brasil.
Ele está e$condido no cofre inviolável do poder,
atrás da capa e da caixa preta
de suas metiras)
...
P.E. 27/07/07
Que o “maleducado” do Nelson Jobim, fale menos e aja de fato. Que ele consiga trazer à realidade dos brasileiros, algo além de palavras, que justifique tanta penúria de todo um povo. Que as palavras de seu discurso, não retumbem no vazio e encontrem abrigo na realidade. Que ele, como maestro não desafine na regência, até agora desafina do governo. Nosso Maestro soberano, Tom Jobim, compôs a música Desafinado e não desafinava, espero o xará se inspire nele na política.
Até parece que não gosto do PT, não é? Mas saibam, embora possa parecer piegas - quando Lula perdeu para Collor – eu chorei, fiquei por alguns dias com um nó na garganta. Desde de que me entendo por gente, sempre votei no PT, do cabo ao rabo. Fui uma semente regada pelas ideais petistas (águas do Araguaia), mas eu virei árvore e sob minha sombra ainda abrigo velhos sonhos, mas não os personagens e o pesadelo que se tornou; pelo menos para mim, Lula no poder.
Acho que a cúpula do PT, vacilou, ao não ter feito nada, para impedir a saída de Heloisa Helena do partido - ela com suas posições firmes, era peça importante; acho, para que a turma não se desviasse do "sonho". Para que o povo brasileiro não continuasse a ser estuprado, (incrivelmente dentro da s leis) como ainda está, pelos banqueiros que financiam nossos "digníssimos" políticos.
Há pessoas e pessoas... Aqui em minha cidade, Contagem - MG, até onde sei, Marília Campos apesar de pertencer ao PT - tem feito no geral uma boa administração. Exceto um vacilo e outro nas áreas de educação e saúde.

quarta-feira, julho 11, 2007

Postagem, ainda ao som da música Kite – U2 [OuçAquiÓ]

“Játá-balangando”, na rede
o blog da Árvore dos Poemas.
Na próxima sexta-feira,
deve sair uma matéria
no jornal O Tempo Contagem.

Neste novo blog, estaremos
publicando poemas de poetas
consagrados, como também
daqueles, sem nenhuma sagração.

Dependerá, apenas, da escolha pessoal
de cada “plantador” de “frutos-poemas”;
que atuaram JUNTO comigo, neste “novo”
espaço para divulgação de poesias.
Estamos abertos às sugestões de todos.

Para conhecer clique aqui.

quinta-feira, julho 05, 2007

Postagem ao som da música Kite – U2 [OuçAquiÓ]

Galera, seguinte... o poema “AOS POLÍTICOS E BANQUEIROS DO BRASIL”, trafegará pelas artérias da realidade - com algumas correções, que foram feitas. Com a renuncia, do Roriz, estou realizando algumas adaptações. Como vocês, já devem ter percebido, eu não sou nenhum literato e não entendo nada, da forma culta de como se escrever corretamente. Se “i”, não tivesse, naturalmente o pingo – acho que eu teria dúvida se deveria pingá-lo. Pois é, eu sou o “bebun” das letras, aqui nas terras das mais belas Minas. Mas tudo tranqüilo, pois sou muito bem resolvido, em relação às minhas deficiências e quando preciso de ajuda, não tenho vergonha em pedir aos meus amigos mais cultos. Confesso, que o “WORDnário”, tem me salvado muitas vezes.

Agradeço a Múcio Góes e Pedro Pan, pela prontidão em me ajudar na correção do poema. Saber quando, “A” tem crase e quando não tem; por exemplo, para mim, é o fim da picada. Mas eu já tomei soro antiofídico, contra picadas de alguns literatos, principalmente aqui das Gerais, que certa vez me incluíram entre os medíocres da poesia contemporânea mineira. (Na época, apropriei-me de uma resposta de Manoel de Barros a não sei quem que disse "Poderoso para mim è aquele que descobre as insignificâncias: do mundo e as nossas. Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil. Fiquei emocionado e chorei. Sou fraco para elogios.") N´outros tempos, acho que eles pertenceriam àquela turma, de nobres literatos da ABL, que negaram ao Quintana o direito de sentar-se numa cadeira de “imortal” – por favor, não que eu esteja, comparando-me ao homem, que até hoje continua passarinhando por aí; que fez ninho eterno, no coração de milhares de fãs como eu. Acho é bom, o Mario não ter se sentado, entre aqueles que o consideravam mais um “frasista” (sei lá, como escreve esse trem... o Word também não – grifou de vermelho) do que um poeta. Aliás, acho que ninguém, deveria se auto-proclamar poeta; ou seja lá o que for – deveriam é deixar, que as pessoas o batizassem. Ô turminha... essa aqui das montanhas, que gosta dessas cordiais saudações e outros trecos.

Mas voltando ao assunto, o dono de uma gráfica, me propôs imprimir 5.000 cópias do referido poema para serem distribuídas, pras pessoas nas ruas. Estou com um monte de coisas novas, para postar aqui no “Poeminhas...”. As postagens, voltarão à normalidade semanal, assim que baixar a poeira dos assuntos que foram levantados.

Aguardem mais um pouco, valerá a pena, pois teremos novidades daqui uns dias pra vocês: eu, Pedro Pan, Octávio Roggiero Neto, Marina e Múcio Góes.

MontanhosoAbraço para todos,
Diovvani Mendonça.

P.E.
Recado para Marcos Pardim e Múcio Góes:
vocês dois são malucos?
Só, pode!!! indicar o “POEMINHAS PARA MATAR O TEMPO E DISTRAIR DOR DE DENTE” para concorrer as “Sete Maravilhas do Mundo Virtual”? Conselho: não passem perto, de nenhum hospício que eles internam vocês, no ato – é camisa de força, sem direito a choro.